A Exposição END, no Instituto Cervantes do Rio de Janeiro

A partir do dia 25 de Novembro, o Instituto Cervantes Botafogo recebe a exposição baseada na trilogia END de Carlos Casas, baseada nos filmes produzidos pelo cineasta ao longo desses 10 anos de trabalho.
Serão expostos aqui diversas fotos que compreendem o universo de personagens e paisagens, documentando o que foi observado por Casas durante suas viagens.

Ainda será exibido o filme “Sibéria – Hunters Since the Beginning of Time” (87 min), seguido de um bate papo com o documentarista Bebeto Abrantes e com o crítico de cinema Carlos Alberto Mattos.

No dia 25 acontece o cocktail de inauguração, contando com a presença de Carlos Casas falando do processo de criação e pesquisa de seus filmes.

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=uS3FRq8S8_8&w=420&h=315]

> Serviço:

Exposição END

Abertura dia 25 de novembro de 2011

Instituto Cervantes Botafogo

Rua Visconde de Ouro Preto,62 – Botafogo

CEP 22250-180 – Rio de Janeiro-RJ

(21) 3554-5910

http://riodejaneiro.cervantes.es/

Entrada Franca

Multiplicidade apresenta: Lise + L_Ar – Reações Visuais

Produzir uma opereta a partir de vozes, ruídos e todo tipo de manifestação sonora gerada ao longo de um deslocamento em espaços urbanos é o que propõem Lise + L_ar, atração do dia 29 de setembro no festival Multiplicidade_Imagem_Som_inusitados.

Ao capturar o que chama-se de espírito sonoro das cidades, a dupla transforma esse conteúdo em matéria-prima de suas apresentações. Por essa linha, diversas cidades brasileiras como Belo Horizonte (MG), São Luiz (MA), dentre outras, receberam uma espécie de mapeamento auditivo compondo uma performance visual multimídia e criando uma verdadeira paisagem sonora destes lugares.

Ambos os artistas já tiveram seus trabalhos solos expostos em diversos centros de arte e tecnologia do Brasil, como o Oi Futuro Belo Horizonte e o Itaú Cultural, além de participar de festivais como o FILE.  Reações Visuais ganhou diversos prêmios como “Interações Estéticas“ (Funarte 2008), ”Rede Nacional Artes Visuais” (Funarte 2009) e o “Rumos Itaú Cultural” (2009).

Para o Festival, a dupla traz além das peças criadas ao longo de 3 anos, capturas visuais e sonoras recém-registradas, com a intenção de realizar uma performance única e inédita ao vivo: o som do público será registrado instantes antes da performance e será a base de uma peça de improviso gerada pela paisagem sonora local.

Leandro Araújo (L_ar) é arquiteto de formação e artista multimídia que trabalha com diversas disciplinas da arte digital, como software-arte, instalações, performances multimídia e interatividade. Foi ganhador dos prêmios “Bravo! Bradesco Prime 2010” na categoria Arte Digital e “Rumos – Itaú Cultural” na categoria Arte Cibernética; Interações Estéticas e Rede Artes Visuais também em 2010.

Daniel Nunes (Lise) é um multiinstrumentista que também flerta com o universo audiovisual, e compõe trilhas para diversas meios como teatro, curta-metragens e internet, além de criar e gerenciar o selo mineiro Le Petit Chambre, dedicado à música experimental.

Abaixo, um vídeo editado com um pouco do que a dupla Lise + L_ar trará dia 29 de setembro ao Multiplicidade.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=m3PYlwAMEsw]

Multi_03_11 – Scanner no Oi Futuro Flamengo

Scanner no Oi Futuro

 

Tudo começou com linhas cruzadas e conversas de desconhecidos. Robin Rimbaud – conhecido como Scanner – um produtor musical inglês de Londres, descobriu alí sua primeira fonte de inspiração para criação de peças auditivas que posteriormente serviriam como o material bruto para seus primeiros álbuns.

Vinte anos depois, Scanner continua sendo atemporal por conta de suas criações: hoje, sons presentes em cidades o inspiram a criar o que ele chama de sinfonia urbana: uma verdadeira opereta baseada nas sensações que  as grandes metrópoles lhe passam.

 

Em sua passagem pelo Rio de Janeiro, o artista mostrou sua versatilidade. Primeiro, durante uma visita em um museu na favela da Maré que abrigava trabalhos seus, pôde ter contato com jovens que são inspirados a seguir seu trabalho ainda experimental.

Para o Multiplicidade, Scanner trouxe “Borders, Unto the Edge“,  sua atual e belíssima performance multimídia. Durante quase uma hora intensa, o artista circulava por ritmos desde o dub ao drum and bass, mesclando ainda com vozes gravadas e outros samplers mais orgânicos, amparado por uma projeção em que a palheta de cores se modificava conforme a harmonia criada também se modificava.

Dentre as mais de 100 pessoas estiveram no auditório, além de muitas outras no saguão do teatro, a opinião era unânime: Scanner criou uma espécie de hipnose sonora mesmo, capturando completamente a atenção do público e criando uma das apresentações mais aclamadas do Multiplicidade em 2011.

Multi_03_2011 – Scanner

19/08/2011 – Oi Futuro Flamengo

Curadoria: Batman Zavareze

Imagens: Diana Sandes e Gabi Carrera_Festival Multiplicidade