Entrevista com Thomas Köner

Aproveitando a passagem de Thomas Köner no Rio, Joca Vidal também o entrevistou na terça-feira, dia 29, sobre o espetáculo que aconteceria naquele dia. Abaixo o texto, com fotos de Dianas Sandes para o festival Multiplicidade.

É a sua primeira vez no Rio? O que sabe sobre o Brasil?

Esta é a minha segunda vez no Rio de Janeiro, mas estive em Recife onde fiz uma exibição de alguns de meus recentes trabalhos de audiovisual em abril deste ano. Acho o Brasil um país maravilhoso. Conheci no país muitas pessoas positivas e felizes, como em nenhum outro lugar do mundo. Estive também em outros países da America do Sul, como o Chile no ano passado, para uma exibição no Museo Nacional de Bellas Artes.

 

Quais as principais diferenças entre as duas apresentações que fará hoje (terça) e amanhã no Multiplicidade?

Vou apresentar dois shows diferentes, “O Manifesto Futurista” e “Materia Obscura”. “O Manifesto Futurista” descobre o presente momento visualizando o futuro e o passado. Utilizo partes do texto do Manifesto Futurista de Marinetti, de 1909, como base do concerto. Também uso imagens antes de 1909, que provavelmente inspiraram Marinetti nos cinemas. Estas imagens são meio que fantasmagóricas (risos). Haverá um piano na apresentação, música eletrônica tocada ao vivo e uma vocalista. “Materia Obscura” é uma performance ao vivo que eu faço em conjunto com Jurgen Reble. Ele trabalha com a química direta que resulta da emulsão do filme e mostraremos a beleza dos “shapes” que estão escondidos no material a nossa volta. Será uma imersão completa na profundidade do som e no colorido de imagens jamais vistas.

O que tem visto de interessante na cena audiovisual? O que te fascina neste tipo de apresentação?

Acho Carlos Casas o artista mais excitante e fascinante em torno de que está atualmente na cena a/v. Por sorte ele está no Rio e participando do Multiplicidade. O audiovisual, para mim, significa uma chance de abraçar mais de um sentido, no caso o visual e o auditivo. Assim, aumentamos a experiência e criamos um maravilhoso espaço onde o púlbico possa aproveitar bastante e passar muito tempo ali.

 

Você é um dos principais nomes na cena ambient e um dos precursores do dub techno, além de já ter remixado nomes como John Cage e Nine Inch Nails. Pretende lançar algo relacionado a música este ano?

Sim, nos próximos meses lançarei um CD novo e também vou re-lançar em vinil o trabalho “BIOKINETICS Porter Ricks”, de 1996.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>