Festival Multiplicidade recebe indicação no Prêmio Noite Rio 2014

Estamos muito felizes por aqui. Neste ano vocês dividiram conosco muitas comemorações pelos 10 anos e quando já nos organizávamos para a nossa despedida no Planetário (27/11) e nos salões históricos do Parque Lage (28 a 30/11), recebemos uma excelente notícia: fomos indicados para o Prêmio Noite Rio na categoria Melhor Festival (até 5 mil pessoas). Para nós é uma honra fazer parte da lista pré-selecionada pelo júri técnico e concorrer ao lado de outros quatro festivais que movimentam a cena carioca.

prêmio noite rio

Organizado pelo Léo Feijó e único no Brasil, o prêmio é uma plataforma contínua de evolução, integração e sustentação de um mercado de extrema importância para a nossa cidade. Ah! E também estamos felizes que uma das nossas casas, o Oi Futuro que sempre nos recebe de portas abertas, também está entre os finalistas de Melhor Palco para Lançamentos. Uma verdadeira cereja no nosso bolo de décimo aniversário.

Parque Lage: história e arte com vista para o verde

Além de ser um belo lugar para tomar aquele café da manhã no fim de semana e sediar a EAV, o Parque Lage guarda muitas histórias. Como ele já foi e será o palco do nosso Festival, resolvemos relembrar algumas delas por aqui.

515320866_074a074893_o

Antiga propriedade da família Lage, o palacete foi cenário de festas históricas na década de 40. Tempos depois já pintou em filme do Glauber Rocha e mais recentemente em clipes como do Snoop Dogg. Pelos corredores de arquitetura clássica, muito audiovisual!

3404553897_f7c6299d2b_o

Maria Juçá, autora do livro “Circo Voador – A Nave” nos ajuda a relembrar tantos momentos importantes e de vanguarda como a Exposição “Como Vai Você Geração 80” com curadoria de Marcus Lontra, Paulo Roberto Legal e Sandra Magger e os shows inesquecíveis de artistas como Caetano Veloso, Ney Matogrosso e Raul Seixas.

Sem falar na Escola de Artes Visuais que desde 1975 forma novos artistas, curadores, pesquisadores e mantém a cena artística em constante efervescência.

3735458996_94c8975988_o

Não por acaso, voltaremos para o Parque Lage e encerraremos mais uma edição. Em novembro, os nossos efeitos visuais ocuparão os mais de 50 hectares de muito verde com perfomances de artistas brasileiros, espanhóis, ingeles, americanos e dinamarqueses.

Festivais que inspiram #3

E a nossa viagem aos festivais inspiradores chega ao fim. Mas antes disso, teremos duas paradas: uma no Canadá e outra na Noruega. Vamos nessa?

MUTEK (Montreal / Canadá)

mutek festival 3

O nome já denuncia, é uma organização sem fins lucrativos que tem multável no próprio DNA. Unindo três grandes frentes (som, música e artes visuais), o MUTEK reúne os artistas mais originais e visionários, criando um espaço de reflexão e descobertas sobre esse universo tão presente no nosso Multi também. O festival é conhecido como um grande encontro internacional de vanguarda. Um espaço propício para inovação e criatividade digitial e que provoca a efervescência real e global.

NSOMNIA FESTIVAL (Tronsø / Noruega)

Insomnia

Festival de música eletrônica inovadora criada a partir de engenhocas eletrônicas, o Insomnia promove seminários públicos e performances combinados com música com novas tecnologias e design em lugares importantes para os noruegueses: o antigo cinema de Tronsø e a casa do estudante Driv, ponto de encontro de artistas como Bel Canto, Röyksopp e Rune Lindbæk no início da carreira.

Site: http://www.insomniafestival.no
FB: https://www.facebook.com/pages/Insomnia Festival/276338105576

Multiplicidade entrevista: Jakob Bro Trio + Taragana Pyjarama + Dmtr.org

Hoje, a partir das 19h, um pedaço da Dinamarca invade o Teatro do Oi Futuro Flamengo. Para explicar precisamos voltar um pouco no tempo: no final do ano passado nosso curador esteve numa viagem cultural convidado pelo instituto dinamarquês para conhecer o distante e instigante mundo artístico nórdico, especificamente a moderna cidade de Copenhague. Durante uma intensa semana, Batman seguiu junto com outros produtores, num roteiro inusitado de eventos que misturavam performance, teatro, moda e música experimental. Voltou encantado com tanta vanguarda.

E por isso que logo mais dois grandes nomes da música dinamarquesa, Jakob Bro Trio e Taragana Pyjarama (aka Nick Eriksen), se apresentam ao lado de do VJ brasileiro Dmtr.org e promovem aqueles encontros que já são nossa marca registrada. Outra tradição nossa é aquela entrevista antes da perfomance, certo? Reunimos os três e batemos um papo. Confira!

Taragana

Blog Multiplicidade> Como vocês receberam o convite para o Multiplicidade?

DMTR.ORG> Ano passado participei do evento Diatipo e conheci pessoalmente o Billy Bacon por conta do calendário lunar. Ele acabou mencionando meu trabalho pro Batman Zavareze e logo acabamos nos conhecendo pessoalmente em São Paulo. Surgiu a vontade de colaborar em projetos e eis que a primeira colaboração é minha participação no Multiplicidade!

TARAGANA PYJARAMA> Para falar a verdade, eu não sabia muito sobre o festival, mas estou ansioso para o show. Parece que há muita expectativa em torno do evento.

JAKOB BRO TRIO> Também estou bem ansioso para o show!

JAKOB BRO (1)

BM> Quais são as principais influências de vocês?

D> É difícil dizer porque olho para muitas coisas diferentes. Mas pra citar algo: Idea Magazine do japão dos anos 70, Design gráfico suíço dos anos 60, computação gráfica de 60, 70 e 80 onde os recursos eram limitados, vejo muito pensamento e economia gráfica em todos esses lugares.

TP/Nick> As principais influências estão nas pequenas coisas da vida. Muitas vezes, acho que podem ser alguns sons que encontrei na internet, os clipes do YouTube, por exemplo. Algo que me faz querer acrescentar algo novo para o meu trabalho. Acordes, harmonias… eu ando obcecado com progressões de acordes, não de uma forma teórica, mas os sentimentos que eles provocam na gente.

JBT> Eu tenho muitas… é difícil citar algumas, então vou dizer o que ando ouvindo no momento: Mark Hollis, Old and New Dreams, Sonny Rollins, Thelonious Monk, Talk Talk, Arvo Pärt.

DMTR

BM> Dimitri, conta pra gente sobre os softwares que você utiliza? Você chegou a desenvolver algum específico para a performance no Multiplicidade?

D> Desenvolvi os dois os softwares que usarei nas performances. O convite para o festival me incentivou a dedicar tempo e atualizar ieias.

BM> Tagarana, você é de um país que é conhecido por sua criatividade musical. Como isso afeta o seu trabalho?

TP> Essa é uma boa pergunta! Eu realmente não sei, mas o ambiente exerce algum tipo de influência. É difícil dizer exatamente o quê. Eu gosto da Dinamarca e não me mudaria daqui. Eu amo o inverno, os dias escuros e frios, sempre fico muito criativo nesse período.

JAKOB BRO (2)

BM> E ainda falando sobre influências: como o jazz entrou na sua vida, Jakob?

JBT> Foi meu pai me apresentou ao jazz. Eu comecei a tocar trompete aos 5 anos e aos 8 anos entrei para a banda dos meus pais, aí troquei o trompete por um instrumento de percussão. E cresci ouvindo Louis Armstrong, Count Basie, Ellington…

Excelentes referências, Jakob. Sem dúvidas, será uma perfomance inesquecível e cheia de influências.

E você? Já confirmou presença no evento? Confirma e garanta seu ingresso! Nos encontramos daqui a pouco!

***

FESTIVAL MULTIPLICIDADE 10 ANOS
4º edição 2014
Data: 18 de setembro
Local: Oi Futuro Flamengo
Enderço: Rua Dois de Dezembro 63 – Flamengo
19h: Teatro
Jakob Bro Trio (DIN) + Dmtr.org (BRA)
Entrada: R$20 / R$10 (meia-entrada)
Bilheteria Oi Futuro Flamengo e Ingresso Rápido
Lotação do teatro: 72 lugares
20h: Nível 1
Taragana Pyjarama (DIN) + Visual: Dmtr.org (BRA)
Entrada:Gratuita
Classificação etária: Livre

O mundo em 3D

Em definição o 3D é uma escala espacial que traz a possibilidade de visualização em espaço tridimensional que reúne um triângulo de experimentos: físicos, geométricos e geofísicos.

Para nós, esse triângulo vai além e reúne inovação, criatividade e vanguarda. E já que essa semana receberemos a performance do artista visual Dimitre Lima (Dmtr.org), resolvemos comentar sobre o trabalho de dois artistas que, assim como ele, veem o mundo em 3D!

121128-Kraftwerk

No ano passado a nova turnê do Kraftwerk, pioneiros de sons eletrônicos, contou com essa estética. Projetadas em um grande pano de fundo de palco abstrato, as imagens eram acompanhadas pela plateia através de óculos 3D polarizados. Famosos pelo uso de gráficos e cores brilhantes, eles traduziram a tecnologia de maneira muito fácil de usar e de captar a atenção do público. Além dos efeitos 3D estereoscópicos, vanguardista como de costume o Kraftwerk experimentou a escala especial em outra atmosfera, o som.

antivj2

Quem também faz experimentos nessa área é o selo visual europeu AntiVJ, que passou pelo nosso festival no ano passado. O Stereoscopic Show foi um projeto desenvolvido em parceria com a dupla Principes Of Geometry que pretendia levar a plateia à uma jornada através do espaço combinando vídeos em 3D com trilha eletrônica repleta de sintetizadores.

Quer ver o mundo com outros olhos também? Separamos um Do It Yourself_3D Glasses, olha só!

Festivais que inspiram #2

Dando continuidade à nossa série de posts sobre festivais que nos inspiram, hoje vamos levar vocês para uma viagem com duas paradas: uma na Sérvia e outra na Espanha. Vem com a gente!

MIRA LIVE VISUAL ARTS FESTIVAL (Espanha)

MIRA

Combinando arquitetura para criar espaços únicos e inovadores com eventos culturais (concertos, instalações, conferências e workshops), o MIRA é um festival que apresenta novas criações de artes visuais e permite uma simbiose única entre profissionais de diversos meios.

Baseado em três grandes áreas (rastreio, sensibilização e educação), o que diferencia o MIRA de outros eventos é a capacidade de entrelaçar o visual e o musical, tornando-os uma experiência única de imersão para o público.

RESONATE FESTIVAL (Sérvia)

RESONATE

Realizado anualmente no berço da cultura pré-histórica europeia, na cidade de Belgrado, e banhado pela confluência dos Rios Danúbio e Sava, o Resonate é uma plataforma de rede, informação, compartilhamento de conhecimento e educação.

Reunindo por dois dias artistas conhecidos mundialmente, o festival propõe debates e reflexões sobre o futuro da tecnologia na arte e na cultura. Além de abaranger diversas áreas que vão da engenharia de software até as teorias que envolvem as artes visuais e a cultura digital.

HOL e sua Synap.sys

Nem o dia chuvoso desanimou os cariocas que lotaram o Teatro do Oi Futuro Flamengo ontem. Mas antes da performance oficial, como contamos por aqui, o artista multimídia Henrique Roscoe fez um ensaio aberto e dividiu com o público suas experiências e peculiaridades do processo criativo.

Eduardo Magalhães - I Hate Flash-16

Eduardo Magalhães - I Hate Flash-21

“O aleatório é uma parte importante para o meu trabalho. Eu não quero tocar a mesma coisa sempre, esse é o modo que acredito e que gosto de fazer. Cada vez que eu ligo, será diferente. É o que chamo de arte generativa, programação generativa. Você pode modificar a cena em tempo real”, comentou ele enquanto mandava um preview e aquecia o instrumento feito especialmente para a apresentação no nosso Festival.

Eduardo Magalhães - I Hate Flash-43

O ensaio empolgou e fez com que a ansiedade pela performance aumentasse. Como foi o caso do estudante Marc Paul que faz fotografia na Oi Kabum “Achei incrível essa questão das sinapses e do cérebro. Me senti inspirado”. O Daniel Santos que é um profissional multimídia participou de uma oficina no nosso Festival no ano passado e saiu com uma ótima impressão do ensaio: “Achei interessante ele expor toda a receita de bolo que ele faz por trás da performance, de uma certa, já vou sair com algo a mais daqui”, comentou.

Eduardo Magalhães - I Hate Flash-58

Pontualmente às 20h, a cortinas do Teatro do Oi Futuro foram abertas e aos poucos, a plateia foi se aconchegando nas tradicionais almofadas vermelhas espalhadas por toda a escadaria. Quando os lasers cruzaram a fumaça, o público teve uma certeza: uma performance inesquecível estava por vir. Foram quase 50 minutos de projeções, sons, experimentações e diversas sensações (coletivas e individuais). Uma verdadeira sinfonia audiovisual!

Eduardo Magalhães - I Hate Flash-52

Multiplicidade entrevista: HOL

Na próxima quinta, a partir das 20h, é dia de reencontrar o artista HOL – depois de 4 anos – no teatro do Oi Futuro Flamengo. Ele já compõe música desde criança e seu primeiro instrumento foi construído no auge dos seus 10 anos (usando apenas uma colher e um elático). Mais tarde, prestou vestibular para engenharia achando que a carreira o ajudaria a construir mais sons. Também tentou comunicação e design, mas no fundo o que ele queria era fazer arte. Que sorte a nossa! Antes da performance, como já está virando uma tradição por aqui, trocamos uma ideia com esse verdadeiro prodígio. Falamos sobre o processo criativo, seu novo projeto e até o que ele anda ouvindo por aí. Vem conferir!

Gabi Garrera-DSC_0052

Blog Multiplicidade: Como você definiria seu mais recente projeto, o Synap.sys, e o que público pode esperar dessa apresentação?

HOL: É uma performance sobre memória dividida em 3 partes: assimilação da informação do mundo exterior, retenção destas informações e uso delas na forma de lembranças. Uso basicamente imagens abstratas e sons sintéticos e tento simbolizar elementos do mundo “real” através de associações usando os parâmetros fundamentais de cada área como ritmo, escala, timbre, afinação na parte sonora e cor, forma, movimento nas imagens. Cada elemento faz parte da narrativa e foi colocado lá com uma função específica, ou seja, nada cumpre apenas a função estética. O uso de um instrumento criado especificamente para a performance contribui para esta integração, tendo características próprias ligadas ao tema proposto. É importante falar que cada instrumento que construo é usado somente na performance para a qual foi criado. isso faz com que esta unidade conceitual seja sempre mantida. Nesta o instrumento se assemelha a uma cabeça ligada a eletrodos, e, ao mesmo tempo, a sintetizadores modulares. Além deste instrumento, foi criado também uma interface com 5 canetas laser que têm seu acionamento e posição controlados pelo meu software. assim sincronizo perfeitamente a interação som/imagem/luz de acordo com minhas necessidades. Os lasers vão acrescentar também uma tridimensionalidade ao trabalho, expandindo a tela convencional e ocupando o espaço do teatro por volumes de luz criados pela reflexão dos lasers através de vários espelhos.

BM: E quais são as principais características do software que você usa na composição do seu trabalho?

HOL: Atualmente minha pesquisa envolve criação de novos instrumentos tanto em software quanto em hardware. Na parte de software, sempre crio do zero um programa que vai tocar a performance exatamente de acordo com minhas necessidades. não uso softwares prontos como os normalmente usados por VJs como resolume, modul8… Uso o Max/Msp que me permite construir um programa totalmente personalizado, a partir de uma programação desenvolvida de acordo com as necessidades específicas de cada performance. É a criação de um software composto de várias partes que controla som e imagem em tempo real, de acordo com o que idealizei inicialmente, mesmo antes de chegar no computador. Inclusive, este é uma parte importante no meu trabalho: antes de começar a produzir penso no conceito que será desenvolvido na performance e crio todas as relações entre os elementos sonoros e visuais com o tema que vou tratar. só depois que vou para o computador e começar a fazer a programação.

synapsys017

BM: Se tivesse que traçar um paralelo entre sua carreira artística e os avanços tecnológicos, de que maneira elas se integram e estimulam que você crie?

HOL: Sempre uso a tecnologia como um ferramenta e meus avanços acontecem tanto na parte técnica / tecnológica quanto na conceitual. Na parte técnica, acompanho as novidades e uso o que tiver a ver com a performance que estou criando. Mas nunca coloco a tecnologia como protagonista no meu trabalho, apenas uso o digital e seus constantes desdobramentos para atingir os meus objetivos conceituais. É como um pintor que domina o pincel – que também é uma tecnologia. Não adianta ter uma ótima técnica se não tem nada a dizer. Na parte conceitual percebo também um desenvolvimento de uma linguagem no meu trabalho, onde os elementos audiovisuais cumprem uma função simbólica e narrativa. a cada nova composição sinto que consigo ir além e criar novas formas de conexão, expandindo possibilidades. Sobre minha carreira, desde que comecei como VJ, a tecnologia foi fundamental. No início por dar a possibilidade de se mixar imagens de vídeo em tempo real. Depois fui me interessando pela personalização – em software e hardware – das ferramentas que uso. Como trabalho em algumas áreas distintas, a tecnologia me permitiu ampliar as possibilidades e possibilitou me expressar através de performances, instalações audiovisuais interativas, construção de instrumentos, VJing, video mapping, etc. Entre as tecnologias que uso estão desde as básicas como laptop, projetor, até as específicas como arduino e softwares como Max/msp, vvvv, processing.

BM: Como você enxerga a cena da arte digital brasileira e os festivais em relação aos outros países?

HOL: A qualidade dos artistas brasileiros está no mesmo nível do que se faz no resto do mundo. Depois da internet as fronteiras de conhecimento caíram e se pode ter informação sobre tudo que está sendo feito no mundo praticamente sem delay. A partir daí o que vale é a criatividade, que o brasileiro tem de sobra. Talvez em termos que quantidade, aqui tenha menos gente produzindo este tipo de arte, mas a qualidade não deixa nada a desejar. No entanto, por aqui os lugares para se apresentar o trabalho são bem mais escassos que na Europa. São pouquíssimos festivais que tem uma continuidade e isso afeta muito os artistas. Além do fato de que a arte digital já acontece há mais tempo na Europa – e por isso é natural haver um número maior de espaços para apresentação – parece que no Brasil o analógico está bem mais enraizado na cultura. Fico pensando se este fator não pesa, pois é muito desproporcional a quantidade de evento que acontecem fora do Brasil com o que temos por aqui, sendo que a arte digital já existe há tempo suficiente para chegar no país. Em relação a performances audiovisuais, são raros os festivais e poucos que conseguem se manter ativos ao longo dos anos. Neste caso, o Multiplicidade é um dos pouquíssimos eventos que se mantém ativos e com uma programação de alto nível!

Gabi Garrera-DSC_0102

BM: E pra finalizar, quais são seus artistas favoritos e o que não pode faltar no seu player?

HOL: Sempre falo que minha maior influência vem de muito tempo atrás. São os pintores russos Malevich e Kandinsky. Com eles aprendi a entender a força dos elementos fundamentais da imagem e do som e as ligações possíveis entre eles. Toda a linguagem que desenvolvo no HOL tem como fonte o trabalho e os ensinamentos destes 2 artistas do começo do século XX. Atualmente gosto de artistas de áreas diversas mas que me inspiram de diferentes formas como Alva Noto, Olafur Eliasson, Murcof, Apparat. Em relação à música costumo colocar o nome de um artista que gosto e procurar semelhantes, como nas estações do Grooveshark.

***
Anotou as dicas? Agora é só se programar, garantir seu ingresso, confirmar a sua presença e aproveitar a performance do HOL essa semana. A gente se encontra lá!

Ah! E quem quiser participar do ensaio aberto e bater um papo com o HOL antes da sua perfomance, às 17h, é só enviar Nome, RG, e-mail e telefone para info@multiplicidade.com. As vagas são limitadas e estão sujeitas à lotação do Teatro Oi Futuro Flamengo.

 

Multiplicidade apresenta: HOL

Ele já participou de outras edições do nosso festival e agora volta ao Rio, depois de um hiato de quatro anos, para reencontrar vocês no teatro do Oi Futuro Flamengo. HOL faz parte dos novos artistas digitais do Brasil e falamos com o Batman sobre esse novo convite:

“Ele investiga as tecnologias reconstruindo softwares porque domina a engenharia computacional e mixa com estéticas e poesias no audiovisual. É muito evidente que o seu canal de comunicação navega na nuvem criativa das cabeças pensantes de artistas globais. Hol é artista conceitual tecnológico e curador de arte eletrônica, mas também é 1mpar quando é VJ e Henrique Roscoe quando esta no mundo real”.

Vj_1mpar-edouard_fraipont-3

Henrique é engenheiro, já passou por vários festivais que nos inspiram (já viu o primeiro post da série?) como Sónar, ON_OFF, LPM e Dialectos Digitales e é um dos idealizadores do FAD (Festival de Arte Digital) que acontece em Belo Horizonte desde 2007. Esse ano, antes de passar pela 10ª temporada do nosso festival, já participou do Circuito de Arte Digital Europeu, ER…VA 25: VIsual Music, Festival Recontres Internationales (Berlim), Electronics forms and shape (Barcelona) e no NIME – New Interfaces for Musical Expression (Londres).

Sobre essa passagem na Europa, ele contou um pouquinho pra gente como foi: “Esta mini tour foi muito interessante. apresentei uma performance do HOL chamada PONTO, um videogame sem vencedor e construí um instrumento que gera todos os sons e imagens sem passar por um computador. Ele é um console autônomo cujas imagens lembram os primeiros videogames dos anos 70, 80. Fiquei impressionado com a qualidade dos instrumentos e performances apresentados nos eventos e fiquei muito satisfeito de estar participando com meu trabalho dos festivais”.

HOL - Henrique Roscoe

Para nós, bate o maior orgulho em tê-lo de volta por aqui, HOL! E na semana que vem vamos postar o papo na íntegra que tivemos com ele. Falamos sobre tudo: desde o processo criativo até como é unir áreas tão complementares (engenharia, comunicação e design) num mesmo projeto. Fiquem ligados por aqui!

***

E no próximo dia 28, a gente te espera no Teatro do Oi Futuro, a partir das 20h, para a apresentação da mais recente obra do HOL, Synap.sys. Confirme sua presença aqui.

Festivais que inspiram #1

Manter um festival por 10 anos é um verdadeiro desafio. Mas antes do nosso, muita gente boa acreditou que também era possível e colocou em prática a experiência de refletir sobre arte e tecnologia. A partir de hoje, vamos dividir com vocês aqui no blog alguns festivais que nos inspiram a trilhar o nosso caminho.

ARS ELECTRONICA (Austria)

ars electronica

Presente no calendário Austríaco desde 1979, o festival surgiu como um projeto-piloto que tinha como principal ideal enfrentar questões importantes sobre o futuro e concentrar essas investigações sobre o nexo da arte, tecnologia e sociedade.

Essa continua sendo a essência do Ars Electronica que o faz ser considerado uns dos mais importantes festivais de arte de mídia do mundo. Simpósios, exposições, performances, intervenções e diversos shows passaram por Linz, na Áustria. Cada vez mais multifacetado, desde 1986 o festival tem sido realizado anualmente e dedicado à um tema específico.

VIDEOBRASIL (Brasil)

videobrasil

No ar desde 1983, o Festival Internacional de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil é o principal encontro artístico do Sul Geopolítico e é conhecido por reunir a safra pioneira de artistas e realizadores de vídeo (foi uma das primeiras grandes inciativas dedicada a essa linguagem). Realizado em São Paulo a cada dois anos, busca mapear, difundir e debater a produção emergente desse circuito. O Festival assume também um importante papel de diálogo com produções consolidadas de todo o mundo, exibindo artistas de renome internacional. No ano passado, o festival comemorou três décadas com uma mostra especial, revisitando todas as edições anteriores e mergulhando na sua própria história.