Sobre Emílio Domingos

emilio

A terceira apresentação do Festival Multiplicidade 2013 traz o diretor de cinema Emilio Domingos junto com o artista digital Alvaro Uña apresentando uma versão editada ao vivo do filme “A Batalha do Passinho“.

Utilizando softwares de recorte e colagem, os artistas irão recontar a história do filme de forma não-linear, transformando a narrativa cinematográfica em um episódio completamente, amparado por dançarinos do passinho e um DJ.

O som do funk, que por si só é um recorte-e-colagem de diversos outros estilos e caracterizado hoje pela batida do tamborzão, retroalimenta o filme, funcionando como marcação de tempo.

Emílio Domingos é um dos produtores e cineastas mais ativos do Rio de Janeiro hoje. Sem nenhum patrocínio conseguiu realizar A Batalha do Passinho de forma totalmente independente.

Além do filme apresentado, Emílio é diretor do filme L.A.P.A. (junto com o empresário e cineasta Cavi Borges). Atualmente, prepara um novo filme, chamado “Deixa na Régua!” sobre a cultura do corte de cabelo “estilizado” dos jovens de comunidades.

O Passinho por Carmattos

O grande Carlos Alberto de Mattos, crítico de cinema do Rio de Janeiro, gentilmente nos cedeu o direito de republicar esse lindo texto sobre o Passinho de sua autoria:

A dança é talvez a forma mais vital de expressão artística e sem dúvida uma das mais democráticas. É a voz do corpo gritando o que nem sempre a voz da garganta é capaz de exprimir. A dança conclama o corpo a uma forma clara de estar no mundo e a uma atitude muito eloquente perante a realidade. Dançar é uma forma suprema de dizer.

Tudo isso está patente em A Batalha do Passinho. Emilio Domingos não precisa lançar mão de nenhuma fórmula de sucesso ou truque de narrativa para mostrar como um documentário pode sondar o imaginário de uma comunidade enquanto parece apenas ouvir despreocupadamente os personagens. Ao redor da dança, é todo um estilo de vida que se desvela nas palavras desses moleques de mola: a vaidade um tanto inocente, a afetividade transbordante, a linguagem peculiar, as ambições de bons moços. Nessa etnografia casual, estamos muito distante das imagens fatalistas da favela e da periferia. O que vemos é uma juventude conectada fraternalmente e concentrada em suas aspirações. 

O funk dita o ritmo para a edição do filme, evidenciando o quanto de surpresa, teatro, pantomima e sátira de comportamento existe no passinho. Além disso, há ali um testemunho precioso sobre as formas de criação e circulação da arte popular na era da internet. São muitas, enfim, as razões por que A Batalha do Passinho é um filme não só contagiante e divertido, mas também fundamental para entendermos as dinâmicas da cidade contemporânea. 

Carlos Alberto Mattos

A Batalha do Passinho Remix

passinho

No próximo dia 3 de outubro acontece no Oi Futuro Flamengo mais uma edição do Festival Multiplicidade denominada “A Batalha do Passinho Remix“.

Desta vez, o curador Batman Zavareze convidou Emílio Domingues – diretor do premiado documentário “A Batalha do Passinho”, que destaca o estilo e comportamento que está por tráz da dança e que teve como locação bailes funks do Rio,  e o artista catalão, Alvaro Uña que já passou por experiências como o Festival Sónar, para produzirem juntos um espetáculo inédito e imprevisível para os espectadores.

A ideia é juntar dois mundos complementares no mesmo palco, o cinema e a engenharia computacional, para trazer interatividade às narrativas de conteúdo de um filme pensado para a tela convencional.

O cineasta vai remixar seu filme com interações programadas em tempo real, com a batida do funk fazendo a marcação do tempo,e reconstruir a lógica linear do roteiro cinematográfico utilizando softwares de recorte e colagem com a presença física de dois dançarinos do Passinho.

Comandando a parte tecnológica está o espanhol Alvaro Uña. Licenciado em Bellas Artes pela Universidad de Valencia, apresentando como projeto de investigação “Cyborgs e sua representação na arte; as políticas tecnológicas do corpo”. Entre 1996 e 2000 desenvolveu diferentes projetos de design gráfico, design de interior, estilismo e outros.

Em 2000 iniciou seu trabalho com o artista multimídia Marcelí Antunez como web design, chefe de programação e produção técnica nos projetos Concentrica, Pol, Mondo Antunez, Transpermia. Em 2003, inicia a colaboração no L’Antic Teatre (Barcelona), onde conheceu Joan Coll, criando o Emotique, grupo multimídia.

Vamos estimular a reação do público com essa provocação artística rica em inventividade e  tecnologia”, resume Zavareze

Dia 03 de Outubro: A Batalha do Passinho Remix

MULTI_03_passinho

A terceira apresentação do Festival Multiplicidade 2013 traz Emilio Domingos junto com Alvaro Uña apresentando uma versão editada ao vivo do filme “A Batalha do Passinho”.

Nesse formato inédito, o filme será editado ao vivo, em uma experiência totalmente nova.
//////////////////////

Serviço:

20H – TEATRO: EMILIO DOMINGOS + ALVARO UÑA
Performance: A BATALHA DO PASSINHO REMIX

Dançarinos do Passinho: Cebolinha, Yuri, TK, João Pedro, Camarão Preto e Pablinho

Entrada do teatro: R$ 20 (R$10 com meia-entrada)
Classificação etária: livre
Curadoria: Batman Zavareze
www.multiplicidade.com
http://multiplicidade.com/blog/

Entrada do teatro: R$ 20 (R$10 com meia-entrada)
Lotação 82 lugares
Classificação etária: livre

Curadoria: Batman Zavareze

 

Primeiras fotos do Multi_02_13

MULTI_02tex

Primeiras fotos da segunda apresentação do Festival Multiplicidade de 2013, com o trabalho “Mindscapes” do artista uruguaio Fernando Velazquez e DJ set do belga Geoffrey MUGWUMP.

Créditos:
Diana Sandes_Festival Multiplicidade
Marcio Leitão_Festival Multiplicidade
Rodrigo Torres_Festival Multiplicidade

Geoffroy Mugwump no Festival Multiplicidade

MULTI_0qq

No cenário atual, é fato concreto que DJs e produtores de música eletronica voltadas à pista de danças tem que se arriscar e buscar novos horizontes fora de seu nicho. O belga Geoffroy Mugwump é um belo exemplo de como não se contentar a centralizar seus elementos de pesquisa musical para um determinado público.

Geoffrey é descrito pelo Resident Advisor como “o catálogo mais diversificado no campo house music atual”, além de ter sido resenhado pelo site Pitchfork como “atemporal” e com um conjunto sólido “.

Junto com o parceiro Kolombo formam o duo Mugwump, onde ambos o criaram uma imersão musical de forma não-estereotipada, que nada mais é que a fusão dançante da música pop dos anos 80, edm, dub, industrial Funk com influências new-beat, modern disco e techno de baixa rotação.

Desde seus primeiros passos juntos, Geoffroy Mugwump & Kolombo fizeram uma verdadeira fusão disco-techno através de seu hino slo-mo “Boutade” sendo a pedra angular de seu rico catálogo e um clássico moderno atual.

Essa música ficou conhecida como um hino ao slo-mo electronic music, com grooves cadenciados e andamento mais lento, abrindo portas para diversos artistas que queriam fugir de um som que então dominava as pistas de dança.

Mugwump recentemente relançou a música pelo selo Let’s Play House, remixada por Andrew Weatherall e Tim Fairplay ‘s em versão technohouse.

No dia 12 de Setembro no Festival Multiplicidade, o DJ apresenta-se durante festa de encerramento logo após o artista plástico e digital Fernando Velázquez no Oi Futuro Flamengo gratuitamente.

multi 02 2013

Mindscapes no Festival Multiplicidade

MULTI_02a_BLOG

“Vemos com os olhos, mas também vemos com o cérebro, e ver com o cérebro é o que comumente chamamos de imaginação. Estamos familiarizados com as paisagens da nossa imaginação, nossos inscapes, vivemos com eles por toda a vida”… 
Oliver Sacks (ted.com, 2009)

A série Mindscapes é um trabalho multidisciplinar  do artista Fernando Velázquez, que inclui vídeos, metacrilatos, uma instalação interativa e uma performance audiovisual onde se explora a ideia de paisagem relacionada à atividade cerebral.

Mais do que buscar uma literalidade, a pesquisa recorre a algoritmos generativos para especular a respeito dos processos, fluxos e relacionamentos entre os diversos dispositivos e sistemas que nos conformam, e influenciam o modo como percebemos o mundo, construímos o conhecimento e articulamos memórias.

Esse conjunto de obras transmídias refletem metaforicamente a respeito da atividade cerebral. Por trás dos fenômenos bio-químicos que acontecem no cérebro no nível físico, existe uma outra camada semántica, complexa e rizomática, relacionada com a forma como percebemos o mundo, e construímos e acionamos a memória e o conhecimento. O material é gerado em tempo real a partir de processos generativos programados em softwares específcos.

Falando sobre atividade cerebral, esse é um daqueles fenômenos invisíveis, como a gravidade, que alimenta a vida como nós a conhecemos sempre tão discreta.

É impossível a um ser humano entender quando suas sinapses cerebrais começam a disparar, mas certamente isso pode ser sentido através de resultados como idéias e outras manifestações como fala e mobilidade acontecer.

callout_velazquez

Fernando Velázquez decidiu traduzir esta força de vida invisível em imagens, investigando o que está por trás dos fenômenos bio-químicos que ocorrem no cérebro em um nível físico. “Não há outra camada semântica, muito complexa e rizomática, relacionado com a forma como percebemos o mundo, e construir e provocar a memória e conhecimento”, diz ele em seu site.

Através de algorítimos previamente captados de atividades cerebrais do artista, Fernando transforma esses números em imagens e paisagens digitais impressionantes, utilizando a mesma força para gerar um conteúdo de áudio em tempo real.

Cada input cerebral capturado gera uma frequência sonora comandada pelo artista, assim como uma paisagem de formas e cores harmonicamente regidas de acordo com a vontade de criador, totalmente ao vivo.

multi 02 2013

12 de Setembro: Fernando Velazquez + DJ set Geoffroy Mugwump

E pra não perder o pique, no dia 12 de Setembro o Festival Multiplicidade traz o uruguaio radicado no Brasil Fernando Velazquez com sua performance Mindscapes, além de uma festa de encerramento com o DJ belga Geoffroy Mugwump.

Anotem na agenda!

363_MX_IDV-13_EFL-02_L_2